segunda-feira, 20 de abril de 2009

#Delíryos | Você ganhou um Astra e mais 4 mil reais!


Criatividade: é tudo o que eu desejo para os golpistas enjaulados. Ontem, por volta de sete e alguma coisa da noite, acordei com o bip de mensagem do meu celular. Ainda sonolento, me deparo com um torpedo que, se fosse verdade, hoje eu nem estaria aqui contando esta história. Em caixa alta, o tal aviso informava: "SBT INF > PARABENS! VOCE GANHOU UM ASTRA SEDAN + 4.000 MIL REAIS. SUPER LEILAO 2009. INF > LIGUE GRATIS DO SEU TEL FIXO. P/ 0318596668421. SENHA. *2530*".

Não vou mentir, eu tinha acabado de acordar, então, por um segundo eu acreditei. Podem em chamar de OTÁRIO. No entanto, lembrei: tenho aversão a esses concursos promocionais, mas minha mãe até gosta. Mais uma vez, pensei: quem sabe ela se inscreveu em uma dessas promoções falaciosas.

Também não vou negar: sempre fui louco para que um desses golpistas 'promocionais' - leia-se 'barato' - tentasse me passar para trás. Decidi ligar, mas não do meu telefone, é claro. Fui a um orelhão.

"Central SBT", disse um homem com sotaque. Eu perguntei: "SBT"?. Ele derrubou a ligação. Tentei outra chamada. Depois de muita insistência, fui atendido por outro 'operador de telemarketing engaiolado' (tenho certeza que são presidiários!). Dei um de mané (ou realmente sou um?). "Oi, eu recebi uma mensagem dizendo que ganhei um Astra e mais 4 mil reais". "Recebeu quando?" - este tinha mais sotaque ainda. "Quase agora", respondi. "Tá FALANU de TÉLÉFONE fixo?", perguntou. "Sim!", respondi. "HOMI, você tá FALANU de TÉLÉFONE fixo público. Ligue de sua casa, viu?". Desligou.

Tentei informar o SBT, mas a central falsa da emissora é mais rápida no atendimento - eles estão cumprindo à risca as novas leis dos call centers. Não desisti, enviei um e-mail para a equipe de jornalismo. Não tive resposta.

Não satisfeito, inventei de enviar um torpedo promocional para os números do 'SBT do nordeste' ( o outro é 85 - 8759.0184) com a seguinte mensagem: "Justiça brasileira informa: estamos devolvendo sua-mais-que-devida-liberdade de volta. Ligue 190. Senha: golpista do nordeste".

E foi assim, caótico, que meu domingão chegou ao fim. Ah, quero deixar bem claro que não tenho nada contra sotaques e muito menos sou xenófobo. Apenas dei nome aos bois. Fiquem atentos!








Share |

terça-feira, 14 de abril de 2009

#Delíryos | Serviços de barbearia

Imagina você, homem, chegar a uma barbearia e ser recebido por uma gostosa trajando uma transparente e curtíssima camisola (e nada mais!). Não, não estou delirando e nem tirei o dia para isto. Esta barbearia existe e está localizada... em Denver, Estados Unidos. Ficou jururu? Eu também.


Faz um tempinho que li a reportagem (que desta vez a fonte não será citada – picaretagem mesmo!) e achei a ideia pra lá de singular (e boa, por que não?).


E olha só: para aproveitar todos os detalhes das 'camisolas' que desfilam pelo salão, os marmanjos não ficam só no serviço de ‘A Little Off The Top’ (que também dá nome ao local), o mesmo que ‘tirar um pouco da parte de cima’. Enquanto as curvilíneas barbeiras tosquiam as madeixas dos galalaus, eles ficam com os pés de molho – sim, o serviço é completo (ou quase isso): cabelo, barba, bigode, corpitchos suculentos roçando nos ombros dos mancebos, e, na saída, um brinde: um beijinho (no rosto, não se entusiasmem novamente!).


O dono do local é personagem quase desconhecido. Depois que foi mal-interpretado pela imprensa local, não dá entrevistas nem com a garantia de ter Angelina Jolie como funcionária por um dia. Na terra do tio Obama, a prostituição é proibida, mas uma brincadeirinha assim PÓODI!!


E aí? Já passou da hora de dar um tapinha na cabeleira? Corre pra dar um jeito nisso, rapaz! Ou melhor: deixe que aquele ser (bem parecido com você), que durante o corte só fala no Ronaldinho ou no último crime hediondo, ou, pior: se mete a contar as piadas mais infames, e numa dessas, meu amigo, sem querer (quero acreditar), resvala o ‘pacote’ no seu ombro... Nem é bom, nesses casos, dizer que a vida é DURA (pode soar como um trocadilho – a situação não é nada jocosa, vamos combinar)


Bem, arrematarei esse papo de barbearia brasileira com um ato de redenção: quem quiser ler as impressões do repórter Daniel Bergamasco (Revista da Folha), que testou os serviços do salão americano, clique aqui.




Share |

terça-feira, 7 de abril de 2009

Amy


Sou apaixonado por música, e faço questão de escancarar esta paixão para o mundo. Cada fase da minha vida eu vivo um momento de eufórico fanatismo por algum artista da música. Desta vez escolhi Amy Winehouse. Já sei tudo sobre as canções da incendiária diva pop, e mais: estou viajando na 'montanha-russa' que é a vida desta mulher, como definiu o biógrafo da moça, Chas Newkvy-Burden (assim que eu conseguir finalizar a leitura - sim, porque eu estou conciliando com mais uma dezena de livros - postarei algumas curiosidades sobre este furacão inglês).

Me and Mr. Jones, 15º faixa do segundo álbum de Amy - Back to Black - pela composição instrumental, é a minha preferida. A letra é praticamente um momento de possessão - a cantora de talento invulgar, por repetidas vezes, deixa bem claro: "Ninguém fica entre eu e meu homem". No entanto, além do voluptuoso timbre de Winehouse, a musicalidade e os arranjos, que lembram os hits dos anos 40 e 50, uma composição totalmente Dinah Washington, são os ingredientes mais deliciosos da grande obra poética da inglesinha polêmica.


A versão ao vivo é ainda mais extasiante (tiraram a incorporação (código HTML) do You Tube, portanto, cliquem aqui e se deliciem!). Bem, eu volto a falar ou escrever sobre a moça!


Share |