quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

#Delíryos | Amantes.com

Li domingo na Folha e, apesar da proposta 'indecente', achei muito sincero: "Site dos EUA oferece namoro para casados". Não, não estou fazendo apologia ao 'adultério', mas considerei plausível e bonito (por que não?) o site (Ashleymadison.com) estampar, assim, sem eufemismos, que o portal é uma espécie de "agência de apenas-sexo-e-nada-mais". Um céu para os casados infelizes.

Por que defendo tanto a ideia se nem casado eu sou? Simples: não é isso o que acontece na maioria dos sites de relacionamento? Apresentam um objetivo, mas, no fundo, todo mundo sabe que, quase sempre, tudo não passa de uma suruba virtual - que, de tão explosiva, vai parar (ou continuar) nos motéis, nos drives, nos bancos dos carros, atrás de alguma moita e até mesmo, no caso dos mais excitados, na própria cama (sim, na mesma onde repousa o corpinho cansado e estragado do maridinho ou da mulherzinha).

Quero deixar bem claro que este surto descabido também não é uma crítica àqueles que são da orgia, que gostam de temperar a vida com muita sacanagem. Muito pelo contrário. Tudo é permitido. Até faço questão de reproduzir aqui o slogan do site americano: "a vida é curta, tenha um caso". Olha que gostoso!

Na verdade, tudo isso foi para expressar o quanto achei original e, acima de tudo, leal a ideia do Ashleymadison. E não vai demorar muito para os brasileiros cairem na rede oficial e sem máscaras dos amantes.com. (promessa de Noel Biderman, criador do site). Safadenhas e safadões, aguardem!


Share |

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

A “quilometragem masculina” de Garrincha

Acabei de ler 'Biografias & biógrafos: jornalismo sobre personagens', do jornalista e pesquisador Sérgio Vilas Boas. O livro, que "é um levantamento de diversas questões envolvidas no processo biográfico", também traz uma história que eu desconhecia sobre 'Estrela solitária: um brasileiro chamado Garrincha', primorosa biografia tecida por Ruy Castro, grande alquimista do nosso biografismo.


A escrita de uma biografia pode proporcionar alguns contratempos ao seu autor, principalmente se a obra é nãoautorizada – lembram do drama de Paulo César Araújo, autor de 'Roberto Carlos em detalhes'? E se a narrativa não abordar tão somente fatos cândidos da vida do biografado, o autor viverá um pesadelo e estará envolto em maus lençóis. Foi o que aconteceu com Ruy Castro, que conheceu dias dramáticos e se transformou em personagem de um enredo judicial, tudo porque informou as medidas da "quilometragem masculina" do craque: 25 centímetros – fato importuno para as herdeiras de Mané Garrincha.

Furiosas, pois consideraram que o jornalista-escritor havia arranhado a imagem do pai- jogador, recorreram à justiça. Por conta disso, em 27 de novembro de 1995, Ruy Castro tirava seu time de cima das prateleiras das livrarias. A venda de sua obra estava proibida.

E o que inicialmente seria uma biografia, virou uma novela. Em abril de 2001, Castro ainda protagonizava outros episódios desta tragédia editorial. Na época, a juíza Maria Helena Martins, da 42ª Vara Civil do Rio de Janeiro, condenava a editora Companhia das Letras - responsável pela publicação - a pagar mil salários mínimos à família da 'estrela solitária' - a briga também envolvia 180 fotografias de Garrincha, publicadas no livro. O valor da indenização acendeu ainda mais a revolta da família, que exigia R$ 1 milhão, alegando danos materiais e morais. O desembargador João Wehbi Dib negou o pedido.

Hoje, passado o contratempo, a justificativa do magistrado deve soar cômica até para as herdeiras do jogador de Pau Grande – Calma! Este é o nome da cidade onde nasceu o ídolo das pernas mais tortas que já defenderam o Botafogo. Dib ponderou que "o tamanho do pênis de Garrincha deveria ser motivo de orgulho para os familiares, não uma ofensa". Segundo o livro de Vilas Boas, Dib ainda argumentou com as seguintes palavras: "as asseverações de possuir um órgão sexual de 25 centímetros e ser uma 'máquina de fazer sexo' [título de um dos capítulos], antes de serem ofensivas, são elogiosas, malgrado custa crer que um alcoolista tenha tanta potência sexual. Há que assinalar que ter membro sexual grande, pelo menos no nosso país, é motivo de orgulho, posto que significa masculinidade".

Mesmo com a hilária e – por que não? – justa conclusão do desembargador, o Conselho de Desembargadores reconheceu a necessidade de indenizar as filhas de Garrincha: as moças receberam – e recebem – 'pequenos' 5% do valor das vendas do livro.

A verdade é que o quiproquó não passou de uma besteirinha, uma firulinha, não acham? O que são 25 centímetros comparados à nobreza da arte de Garrincha, que, sem dúvida, habita os gramados mais largos e verdejantes do Olimpo futebolístico mundial? Mais que virilidade, aí está a grandeza e o brilho da “estrela solitária”, tão bem delineados por Ruy Castro.


Post re-ditado em 31 de março de 2010

Share |

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

#Delíryos | Opiofagia

Como havia prometido, voltei e rebatizei o blog. Vou continuar a missão de entregar-me à busca pelo fascínio das palavras. E por falar nisso, encontrei uma frase favorável à nova identidade desta página. Trata-se de um grande pensamento do poeta britânico Rudyard Kipling.

"As palavras são, naturalmente, o mais poderoso narcótico usado pela humanidade."

Encerro aqui a minha pobre entorpecência lexical. Até o próximo post.
Share |

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

#Delíryos | Post its existenciais

Share |

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

#Delíryos | Paulista da gema

Hoje recebi um e-mail super legal de uma 'mina' muito querida, a Marise. A mensagem traça o perfil do 'paulista da gema'. Incrível como as definições não mentem em nada (eu me encaixo em todas). Veja o que é ser paulista de verdade.


VOCÊ SABE QUE ALGUÉM É PAULISTANO QUANDO:


Na fala, ele:


a) Chama o semáforo de 'farol'.

b) Diz 'bolacha' em vez de biscoito.

c) Diz 'cara' em vez de menino.

d) Diz 'mina' em vez de menina.

e) Diz 'bexiga' em vez de balão.

f) Diz 'sorvete', tanto para picolé como para sorvete de massa.

g) Acha que não tem sotaque nenhum.

h) Ri do sotaque de todo mundo (gaúcho, carioca, mineiro, nordestino, etc...)

i) Vê uma pessoa mal vestida e chama de 'baiano'.

j) É extremamente possessivo, pois emprega a palavra 'MEU' em praticamente todas as frases.


No clima:


a) Fala sobre o tempo para puxar assunto.

b) Enfrenta sol, chuva, frio, calor, tudo no mesmo dia e acha legal..

c) Sai todo agasalhado de manhã, tira quase tudo a tarde e põe tudo de volta à noite.

d) Tem mania de levar o carro para polir no sábado ou no domingo.

O carro fica brilhando, só que toda vez que vai sair com ele para passear... CHOVE.


Na praia :


a) Fala que vai para praia sem especificar qual.

b) Fica a temporada no Guarujá, Maresias ou Ubatuba, mesmo que chova mais do que faça sol

c) Chama Ubatuba de 'Ubachuva'

d) Fala mal da Praia Grande, mas toda virada de ano fica sem dinheiro e acaba indo para lá.


Nas esquisitices:


a) Faz fila para tudo (elevador, banheiro, ônibus, banco, mercado, casquinha do MC'DONALDS, etc.)

b) Todo dia tem que passar na 'DROGARIA SÃO PAULO' ou na 'DROGA RAIA'

c) Repara nas pessoas como se fossem de outro planeta.

d) Cumprimenta os vizinhos apenas com 'oi' e 'tchau'.

e) Espera a semana inteira pelo final de semana e quando ele chega, acaba não fazendo 'nada'.

f) Convida: 'Passa lá em casa', mas nunca dá o endereço.

g) Chama o povo do interior de São Paulo de 'caipira'.


Principal:


a) Ri de si mesmo ao perceber que tudo acima é verdade e encaminha para todos os amigos.

b) E como todo paulistano, estou fazendo a minha parte...



Share |

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Ivete, Marisa & Amy Winehouse

Como se não bastasse ser IVETE SANGALO, a musa baiana encarnou Marisa Monte e Amy Winehouse. Adorei o vídeo. Vale conferir a performance que traz três fantásticas mulheres em uma que vale por 100.


Share |