sábado, 11 de outubro de 2008

Oswaldo Martins

Faz uma semana que desejo passar por aqui, mas o tempo e o meu ferrenho cotidiano têm me feito refém de suas tiranias.
E por falar em tirania, domingo (5) li um das maiores no caderno mais! Dessa vez, o tempo e o cotidiano não foram os algozes, mas, sim, pais de alunos de uma escola de classe média do RJ que, depois de ficarem “excitados” com a poesia erótica do professor Oswaldo Martins, reivindicaram a demissão do poeta. A instituição de ensino, rapidamente, tratou de realizar o “desejo” da horda.

Pensei: aonde esses ”zelosos” pais pretendem levar os filhos com esse conservadorismo coberto por teias de aranha e esverdeado pelo musgo do mofo?

Pior capítulo do drama poético: “psicólogos” e juristas, segundo a direção da escola, que não quis prestar maiores declarações, alegaram incompatibilidade entre licenciatura e poesia... (querido Freud, por favor, explique!).

Não pude deixar de visitar o blog do poeta, além de deixar minha pequena solidariedade. Cheguei a ficar emocionado ao me deparar com a letra de uma música que compunha o último post de Oswaldo – “Meu mundo é hoje”, lindo samba de Wilson das Neves (uma das trilhas sonoras da minha vida)
"Tenho pena daqueles
Que se agacham até o chão
Enganando a si mesmos
por dinheiro ou posição
Eu nunca tomei parte
Desse enorme batalhão
Pois sei que além de flores
Nada mais vai no caixão"

Pois é, caro Oswaldo, a hipocrisia é o grande e incurável câncer dessa sociedade. Os remédios estão aí, mas ela prefere alimentar este mau.
Faltam outras coisas a esses pais, mas eles não desejam esse restante...

Sei que eles nunca vão acessar este blog, mas, para aqueles que compartilham a mesma travada ideologia, e que tiverem a infeliz sorte de passar por aqui, além da paciência de ler este post, gostaria de dedicar uma das poesias oswaldiana.

a alice no país das baboseiras
é uma garota esperta
prefere foder com a coleguinha
usar celular
batom
cortar as cabeças
dos mendigos

(Do livro “Cosmologia do Impreciso”)

Para quem gostou, um abraço; para quem detestou, um conselho: corra à farmácia e escolha o melhor tarja preta.

P.S: Ao terminar de redigir este post, encontrei uma notícia de que um grupo de pais protestaram a demissão do professor. Leia aqui.



Share |

Atenção!

Atenção
Essa vida contém cenas explícitas de tédio
Nos intervalos da emoção

Atenção
Quem não gostar que conte outra,
encontre, corra atrás,
enfrente, tente, invente
sua própria versão

Aqui não tem
segunda sessão
Aqui não tem
segunda sessão

Composição: Arnaldo Antunes/João Bandeira/ Alice Ruiz
Share |

Bicho-preguiça




Que preguiça, Uél Uél...



Share |

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

#Delíryos | Paulo Coelho

Não sou fã do moderno escritor mais lido do mundo, nunca consegui ler nenhuma de suas obras - já tentei, mas não passei das cinco primeiras páginas. Não se trata de receio intelectual, jamais. Todo tipo de leitura é válido. Porém, hoje, ao abrir o G1, me deparei com uma chamada do blog do Paulo - "Deus está atrás de toda a agonia e êxtase da vida". Rapidamente, cliquei no link e novamente me deparei com um texto simples, nada de novo, eu já sabia de tudo o que estava escrito ali, mas eu gostei da intertextualidade que o Mago usou no post. Fiquei mexido. As palavras falaram muito do meu momento. Vale a pena compartilhá-las.


Da tela

Postado por Paulo Coelho em 03 de Outubro de 2008 às 00:23

O espírito de Deus presente em nós pode ser descrito como sendo uma tela de cinema. Por ali passam várias situações - pessoas amam, pessoas se separam, tesouros são descobertos, países distantes se revelam.

Não importa, entretanto, qual o filme que está sendo projetado: a tela permanece sempre a mesma. Não importa se as lágrimas rolam ou se o sangue escorre - porque nada pode atingir a brancura da tela.

Assim como a tela de cinema, Deus está ali - atrás de toda a agonia e êxtase da vida. Todos nós vamos vê-lo quando o nosso filme terminar.


Share |